dia dos jogos do brasil

Assine dia dos jogos do brasil por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Triunfo da ciência sobre a pandemia trouxe alívio em 2023

O mundo pós-pandemia — conceito em aberto, posto que o micróbio continua circulando e cobrando cuidados, como os reforços vacinais — é promissor

Por Diogo SponchiatoMateria seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 22 dez 2023, 16h30 - Publicado em 22 dez 2023, 06h00

Um novo marco temporal se instaurou nos livros, no noticiário e nas rodas de conversa: o “antes” e o “depois” da pandemia. Foram mais de 1 100 dias que abalaram o mundo, se levarmos em conta o período de emergência sanitária internacional decretado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que durou de 30 de janeiro de 2020 a 5 de maio de 2023. O coronavírus não sumiu do mapa, mas é inegável que sua sanha mortífera foi detida pelas medidas de controle amplamente adotadas, apesar dos arautos do negacionismo. Se o uso de máscaras e o distanciamento social não fossem tomados, é provável que o saldo da Covid-19 tivesse sido ainda mais cruel. E, ainda assim, testemunhamos a maior crise do gênero em mais de um século: até dezembro de 2023, foram 700 milhões de infectados e quase 7 milhões de mortes — mais de 700 000 delas no Brasil. Sem contar as repercussões econômicas, sociais e psicológicas que ainda se fazem sentir.

Decisiva para virar o jogo contra a doença, sem sombra de dúvida, foi a vacinação. Os imunizantes não só foram desenvolvidos em tempo recorde como inauguraram um capítulo na história da medicina com as primeiras fórmulas baseadas em RNA mensageiro, inovação que, de forma precisa, segura e eficaz, entronizou as picadas como o maior golpe contra o patógeno. Uma conquista que se tornou realidade graças ao esforço de uma rede de cientistas, tão bem representada pelos dois pesquisadores cujas descobertas abriram caminho às vacinas de RNA, a húngara Katalin Karikó e o americano Drew Weissman, laureados com o Prêmio Nobel de Medicina deste ano. Poucas vezes a almejada distinção celebrou um feito que, dos laboratórios às ruas, mudou tão rápida e radicalmente a história sendo escrita e vivida por milhões de pessoas. Uma tecnologia que, por meio de instruções genéticas, protagoniza estudos para prevenir outras infecções e tratar doenças como o câncer. O mundo pós-pandemia — conceito em aberto, posto que o micróbio continua circulando e cobrando cuidados, como os reforços vacinais — é promissor. Mas nutre a amarga lição de que, se não zelarmos pelo planeta e deixarmos o radar ligado, outros vírus apocalípticos poderão emergir.

Publicado em dia dos jogos do brasil de 22 de dezembro de 2023, edição nº 2873


dia dos jogos do brasil Mapa do site

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por dia dos jogos do brasil.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.

dia dos jogos do brasil Mapa do site