online slots real money

Assine online slots real money por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Roncos podem acelerar envelhecimento precoce

Estudo da Unifesp mostra que apneia do sono acelera o processo, mas uso de aparelho que ajuda a respirar ameniza o problema

Por Julia Moióli | Agência FAPESP
Atualizado em 17 jul 2023, 18h42 - Publicado em 17 jul 2023, 10h08

Pessoas com apneia obstrutiva do sono vivenciam repetidas pausas respiratórias ao longo da noite, que podem durar alguns segundos ou até mesmo minutos e são seguidas por despertares que prejudicam a qualidade do descanso. Se não tratado, o distúrbio pode, com o passar dos anos, causar problemas de saúde, como aumento de risco cardiovascular, hipertensão, insuficiência cardíaca, diabetes e comprometimento da memória e da concentração.

Pesquisa feita na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) revelou que a apneia também promove a diminuição dos telômeros – estruturas presentes nas extremidades dos cromossomos e que têm o papel de manter a integridade do material genético existente no núcleo celular. Os telômeros naturalmente vão encurtando à medida que as células se dividem para regenerar os tecidos e órgãos do corpo. E quando ficam demasiadamente pequenos, a célula envelhecida para de se multiplicar. Na medida em que acelera esse processo de encurtamento dos telômeros, portanto, a apneia promove o envelhecimento precoce das células.

A boa notícia dos estudos conduzidos na Unifesp é que o problema pode ser amenizado com uso do CPAP (sigla em inglês para pressão positiva contínua em vias aéreas) – aparelho acoplado a uma máscara que lança ar no nariz durante o sono e regulariza a respiração. Os resultados mais recentes foram divulgados na revista Sleep.

Com apoio da FAPESP, os pesquisadores acompanharam ao longo de seis meses 46 pacientes homens, na faixa etária entre 50 e 60 anos, com apneia do sono moderada ou grave. Os voluntários foram divididos em dois grupos e tratados com CPAP ou um aparelho semelhante, porém, com vazamentos de ar que não permitem o efeito terapêutico e funcionam como placebo.

Nas visitas mensais os cientistas checaram a adesão dos pacientes ao aparelho, terapia considerada complexa e incômoda, e coletaram sangue para mensurar o comprimento dos telômeros – análise realizada em três ocasiões – no início do experimento, após um período de três meses e ao final da intervenção. Além disso, foram analisados no sangue marcadores inflamatórios e de estresse oxidativo.

Continua após a publicidade

“O encurtamento dos telômeros é inevitável porque está relacionado à inflamação e ao estresse oxidativo do envelhecimento, mas descobrimos que pessoas com apneia apresentam uma aceleração desse processo”, explica Priscila Farias Tempaku, pesquisadora na área de medicina e biologia do sono do Departamento de Psicobiologia da Unifesp e autora do estudo. “Observamos ainda que, tanto aos três quanto aos seis meses, o uso do CPAP atenuava essa aceleração.”

Os pesquisadores investigaram ainda os mecanismos moleculares que envolvem a associação entre apneia e telômeros. Um desses mediadores, o marcador inflamatório TNF-α, mostra que provavelmente a via molecular implicada é a inflamação. “Nos pacientes que usaram o placebo, a molécula se mostrou um fator influente no comprimento dos telômeros; já naqueles que usavam o CPAP não havia essa associação, mostrando que, além de sua importância já conhecida na redução do risco cardiovascular e metabólico, o aparelho também diminui a inflamação e, consequentemente, atenua o encurtamento do telômero”, explica Tempaku.

“Os resultados deixam claro o papel do sono como fator protetor para o envelhecimento ou de risco para quem apresenta alguma alteração”, avalia Sergio Tufik, diretor do Instituto do Sono da Unifesp e coordenador do estudo. “Esse é um ótimo incentivo, já que a maioria das pessoas resiste a usar o CPAP.”

Episono

Continua após a publicidade

Pioneiro nos estudos sobre o sono no Brasil e no mundo, Tufik é o criador do projeto Estudo Epidemiológico do Sono (Episono), realizado a cada década desde 1986 para traçar um panorama completo do sono dos paulistanos sob a ótica da saúde pública. Além de estabelecer a prência de problemas como ronco, sonambulismo e insônia, os trabalhos já renderam a publicação de mais de 70 artigos em revistas científicas.

A edição de 2015 do Episono, que avaliou o tamanho do efeito do encurtamento dos telômeros num período de dez anos, mostrou que ter apneia grave equivale a envelhecer dez anos. Essa informação, somada às descobertas do trabalho atual, indicam o próximo caminho dos pesquisadores: trazer ainda mais atenção para a relação entre sono e envelhecimento. “Dormir mal envelhece, está associado à mortalidade tanto quanto outras doenças e a apneia ocorre em 30% das pessoas”, afirma Tufik. “Mas a população está desassistida, já que nem o sistema público nem os convênios oferecem CPAP – isso precisa mudar”, alerta o pesquisador.

A prência da apneia vem aumentando paralelamente ao avanço da obesidade, uma vez que as doenças estão frequentemente associadas. Dados da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica indicam que 70% dos obesos sofrem com o distúrbio do sono, sendo que o índice chega a 80% no caso de obesidade mórbida.

Os principais sintomas da apneia obstrutiva do sono são o ronco, a fadiga diurna e a diminuição da capacidade de concentração – fatores que comprometem a qualidade de vida e podem ser incapacitantes. O diagnóstico requer um exame conhecido como polissonografia e o tratamento, além do uso de CPAP, costuma envolver mudança no estilo de vida, incluindo perda de peso, redução no consumo de bebida alcoólica à noite e de remédios para dormir.

Continua após a publicidade

Publicidade
online slots real money Mapa do site

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por online slots real money.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.

online slots real money Mapa do site