fluminense jogos

Assine fluminense jogos por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Número de pacientes que têm crises não-epiléticas e epiléticas é maior do que o esperado

Pesquisa mostra que 15,7% dos pacientes apresentam os dois tipos de crises, enquanto dados anteriores consideravam apenas 10%

Por Da Redação
5 dez 2012, 15h24

A ocorrência de convulsões é frequentemente relacionada à epilepsia. No entanto, existem crises não-epiléticas que têm características semelhantes àquelas provocadas pela epilepsia. Em alguns casos, os pacientes podem ter os dois tipos de crises, e nem sempre sabem como distingui-las. Uma pesquisa apresentada neste domingo, em um evento da Sociedade Americana de Epilepsia, mostrou que a quantidade de pacientes que apresentam crises de ambos os tipos é maior do que a registrada por estudos anteriores.

Opinião do especialista

Luciano De Paola

Neurologista e presidente da Liga Brasileira de Epilepsia

Continua após a publicidade

“Possivelmente 20 a 25% dos pacientes com epilepsia apresentam também crises não-epiléticas psicogênicas (são os chamados casos mistos, mais complexos). Os dados apresentados na pesquisa não são necessariamente novos e são até certo ponto conhecidos na prática por quem atende a população. O valor da pesquisa é na validação dos números e no fornecimento de evidência científica para um dado que é notório”

“É um assunto importante, existem várias publicações a respeito. Uma delas mostra que o atraso no diagnóstico correto (isto é, pacientes diagnosticados com epilepsia e na verdade portadores de crises psicogênicas) pode demorar entre 7 a 10 anos, o suficiente para que os pacientes sofram com o estigma associado à epilepsia e gastem recursos e tempo inutilmente, no tratamento de uma doença mal diagnosticada. Além disso, existe um risco relacionado ao uso de medicamentos antiepiléticos em pacientes que, muitas vezes, nunca tiveram epilepsia”.

Enquanto costumava-se pensar que cerca de 10% das pessoas com crises não-epiléticas também apresentavam crises epiléticas, a pesquisa realizada com pacientes do Centro Médico da Universidade de Maryland, nos Estados Unidos, encontrou 15,7% dos pacientes nessas condições.

Continua após a publicidade

Participaram do estudo 256 pacientes. Setenta deles apresentavam crises não-epiléticas e, dentre eles, 11 também tiveram crises epiléticas durante a internação no hospital – o que corresponde a 15,7%. A importância de identificar os tipos de convulsões está relacionado com o tratamento – as convulsões epilépticas e não-epilépticas são tratadas com diferentes tipos de medicamentos.

Diagnóstico – As crises epiléticas são causadas pela hiperexcitação dos neurônios, descargas elétricas anormais entre eles. Já as chamadas crises psicogênicas não-epiléticas não causam modificações nos sinais cerebrais do paciente e se originam de fatores emocionais. De acordo com Luciano De Paola, neurologista e presidente da Liga Brasileira de Epilepsia, as crises não-epiléticas podem estar relacionadas a diversos diagnósticos psiquiátricos, como depressão, transtornos de ansiedade e de stress pós-traumático.

A diferenciação dos tipos de crise é feita com base na história clínica do paciente e nas características da crise. “Um profissional treinado que observe os eventos pode em um bom número de casos separar uma da outra. Mas há casos mais difíceis em que é necessária a utilização do vídeo- eletroencefalograma”, diz De Paola. Esse exame registra a atividade cerebral dos pacientes, permitindo o diagnóstico correto quanto ao tipo de crise apresentada.

Publicidade

fluminense jogos Mapa do site

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por fluminense jogos.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.

fluminense jogos Mapa do site