0 beta portfolio

Assine 0 beta portfolio por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Vídeo: o bate-boca entre Sérgio Cabral e o juiz Marcelo Bretas

Ex-governador cita informações sobre família do magistrado, que atende a pedido do Ministério Público e determina transferência de Cabral a presídio federal

Por Da redação
Atualizado em 23 out 2017, 22h17 - Publicado em 23 out 2017, 22h17

Preso na Cadeia Pública José Frederico Marques, em Benfica, Zona Norte do Rio de Janeiro, o ex-governador Sérgio Cabral(PMDB)será transferido a um presídio federal, por decisão do juiz federal Marcelo Bretas, responsável pelos processos da Operação Lava Jato no Rio. Bretas decidiu mandar Cabral a um presídio do sistema penitenciário federal, cujas unidades são mais rígidas que as estaduais, depois de um bate-boca com o peemedebista em uma audiência nesta segunda-feira.

Interrogado no processo em que é réu sob a suspeita de ter lavado dinheiro de corrupção por meio da compra de joias em joalherias de grife, Sérgio Cabral tentava argumentar com o magistrado, que já o condenou em duas ações penais, por que “não se lava dinheiro comprando joias”.

Ao dirigir-se ao juiz federal, no entanto, Cabral citou informações pessoais de Bretas. “Vossa excelência tem relativo conhecimento sobre o assunto porque sua família mexe com bijuterias, se não me engano é a maior empresa de bijuterias do Estado”, afirmou o ex-governador. “São as informações que me chegaram”, completou.

Continua após a publicidade

O juiz, em seguida, repreendeu o peemedebista. “Não quero que o senhor conte o histórico da minha família, nem estou interessado em saber o que o senhor conseguiu descobrir a meu respeito”, respondeu Marcelo Bretas, decidido a mudar a condução do interrogatório e a fazer perguntas ao réu.

Cerca de dez minutos depois, contudo, os dois voltaram a discutir. Cabral se disse injustiçado e acusou o magistrado de tentar “projeção pessoal” às suas custas. “Eu estou sendo injustiçado, é o meu direito de dizer que eu estou sendo injustiçado. O senhor está encontrado em mim uma possibilidade de gerar uma projeção pessoal, projeção pessoal, e me fazendo um calvário, me fazendo um calvário, claramente”, acusou o ex-governador.

Continua após a publicidade

Bretas rebateu, afirmando que Sérgio Cabral tentava criar um “discurso de injustiçado” e que esperava que o advogado dele não estivesse orientando este ponto da defesa. Em seguida, o defensor de Cabral, Rodrigo Roca, pediu a suspensão da oitiva. O juiz concordou, mas antes ressaltou não ter recebido bem o comentário do peemedebista sobre os negócios de sua família. Para o magistrado, a observação pode ser interpretada “subliminarmente” como uma ameaça.

“Vamos fazer isso sim, mas antes eu só quero fazer uma pequena observação. Eu não recebi com bons olhos o interesse manifestado do acusado de informar que a minha família trabalha com bijuteria, por exemplo. Isso é o tipo da coisa que pode, subliminarmente, ser entendida como algum tipo de ameaça”, disse Marcelo Bretas. Cabral ironizou a interpretação do juiz, afirmando estar preso, e ouviu como resposta que seu comportamento refletia as decisões contrárias ao ex-governador na Lava Jato.

“Acredito que isso não venha de uma orientação técnica, seja uma pessoa que está, por questões óbvias, chateado aborrecido pelas decisões que lhe são contrárias, mas é preciso ter profissionalismo”, constatou o juiz.

Continua após a publicidade

Diante da declaração de Sérgio Cabral a respeito da família de Marcelo Bretas, o procurador da República Sérgio Pinel, que acompanhava o interrogatório, pediu a transferência de Cabral a um presídio federal, sob alegação de que ele teve acesso a dados privilegiados. Bretas concordou.

Publicidade

0 beta portfolio Mapa do site

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por 0 beta portfolio.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.

0 beta portfolio Mapa do site