z bets

Assine z bets por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Professores criticam escolha de livros de autoria feminina da Fuvest

Críticos literários apontam 'gravidade' na exclusão de Machado de Assis do vestibular

Por Duda Monteiro de Barros
Atualizado em 14 dez 2023, 12h17 - Publicado em 14 dez 2023, 12h15

A Fuvest, vestibular porta de entrada para a Universidade de São Paulo (USP), anunciou recentemente uma mudança significativa nas leituras obrigatórias para a prova. A partir de 2026, os estudantes terão de ler obras de nove autoras, todas mulheres. São elas: Clarice Lispector, Conceição Evaristo, Djaimilia Pereira de Almeida, Julia Lopes de Almeida, Lygia Fagundes Telles, Narcisa Amália, Nísia Floresta, Paulina Chiziane, Rachel de Queiroz e Sophia de Mello Breyner Andresen. Os escritores homens serão temporariamente excluídos das leituras obrigatórias.

Na última quarta-feira, 13, mais de cem professores de reconhecidas instituições, incluindo da própria USP, divulgaram uma carta aberta contra a mudança do vestibular. Isso porque consideram que privilegiar livros de autoria feminina deixa de lado critérios importantes de inclusão, como escritores LGBTQIAPN+, negros e indígenas. “A adoção de um único critério para a escolha dos livros desconsidera a especificidade da literatura, com risco de corroborar os novos tempos utilitaristas de desvalorização das linguagens artísticas e, sobretudo, o foco na figura do/a autor/a ou nas camadas mais superficiais do texto”, diz trecho da carta.

Os especialistas também não concordam com a escolha de apenas títulos literários, negligenciando gêneros como poesia, a prosa de ficção e a crítica. Em outra parte do manifesto, os professores universitários citam com pesar a exclusão de obras transgressoras de Machado de Assis do vestibular. “A gravidade da retirada de Machado de Assis da lista de livros da FUVEST fala por si. No contexto da medicina higienista que disseminava o ‘instinto’ de maternidade e domesticava as ações femininas com função de garantir o bem-estar da família burguesa, Machado de Assis submete à irrisão esse ‘instinto’, inventando a mulher como subjetividade marcada por desejo e sexualidade não monogâmica”, observa,

z bets Mapa do site

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por z bets.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

z bets Mapa do site