bet green

Assine bet green por R$2,00/semana
Imagem Blog

Rodrigo de Almeida Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Jornalista, cientista político e consultor de comunicação e política. Escreve sobre políticas públicas em áreas como educação, segurança pública, economia, direitos humanos e meio ambiente, entre outras
Continua após publicidade

Os alvos errados de militantes da esquerda

Ao mitificar acertos e silenciar diante dos erros do governo, parte da esquerda criminaliza críticos progressistas e adere à cartilha que deveria combater

Por Rodrigo de Almeida
Atualizado em 13 set 2023, 13h12 - Publicado em 13 set 2023, 12h55

Fraturas, cisões, frustrações, teorias conspiratórias, vitimismos, críticas por todos os lados, e a arte de tentar conciliar interesses dispersos, diversos e contraditórios – quem já esteve lá ou entende minimamente do assunto sabe que tudo isso faz parte da rotina de um governo. Mais ainda num governo de base lulo-petista, nascido com aspiração de frente ampla e sustentado em grande medida com a amizade sem afeto do Centrão. Está em curso, porém, uma mistura de velhos e novos problemas que tornam a coisa toda muito mais complicada.

O que há de novidade? O fato de alguns grupos da esquerda, notadamente petistas, seguirem certa cartilha de violência política e promoverem uma onda preocupante de ataques a pessoas que ousaram vocalizar dissonâncias.

Na semana passada, Gregorio Duvivier resolveu ser porta-voz de um movimento de defesa da indicação de juristas negras para a próxima vaga aberta no Supremo Tribunal Federal, numa campanha destinada a convidar o presidente Lula para um café com suas candidatas. De personagem progressista e ativo contra o bolsonarismo e pró-Lula em 2022, Duvivier transformou-se em alvo pesado nas redes. Com ares de suspeita e criminalização, um site alinhado ao governo chegou a questionar a atuação de ONGs na campanha por uma jurista negra no STF. Falou-se em sabotar (!) os investimentos no Brasil.

O ex-deputado Jean Wyllys também esteve na mira da militância. Sentiu-se atacado e difamado e comparou-a aos haters bolsonaristas. Segundo ele, essa militância “não aceita qualquer crítica ou revelação de fato ruim em relação a membros do governo Lula ou a próprio Lula”.

Continua após a publicidade

O que há de filme antigo: o vício militante de silenciar diante das contradições mais aparentes e injustificáveis, o excessivo comedimento diante dos erros do presidente Lula (em atos ou retórica), a dificuldade de identificar novas e velhas agendas, e conjugá-las também fora do seu estrito campo ideológico e partidário.

No caso do PT, em especial, tem-se a baixa capacidade de reconhecer as nuances da coalizão que lidera. Como certa vez me lembrou um amigo petista, o partido é culturalmente leninista. Portanto, quer hegemonia. Sempre. Está em seu DNA. Por isso Lula sempre precisou conter o PT. Nos seus primeiros mandatos, pela manhã piscava o olho para Henrique Meirelles; à tarde, para o povo de Frei Betto.

(Para quem não tem obrigação de saber, a referência leninista é a corrente fundada pelo revolucionário russo que liderou a Revolução Bolchevique de 1917 e, entre muitas outras coisas, fazia a defesa do chamado centralismo democrático, a ideia de um partido que interviesse de maneira centralizada em todos os espaços de discussão, militância e gestão.)

Continua após a publicidade

De um lado, grupos de esquerda vocalizaram críticas a diversos erros do governo. De outro, uma maioria que não só silenciou diante desses mesmos erros como promoveu – ou foi cúmplice calada – dos ataques aos críticos progressistas.

Convém listar alguns dos episódios motivadores das fraturas e críticas entre apoiadores e militantes. Como a troca da ministra Ana Moser por André Fufuca no Ministério dos Esportes, recurso (inevitável?) à chantagem parlamentar do Centrão e do presidente da Câmara, deputado Arthur Lira(PP-AL).

Ou o que dizer da investida mal posta contra o Tribunal Internacional de Haia, ao tentar fazer um “calma-lá” diante da possibilidade de o presidente russo, Vladimir Putin, ser preso em visita ao Brasil no ano que vem. A coluna poderia repetir a lembrança que muitos já fizeram do papel do Tribunal, mas ficará no reforço de que foi à corte de Haia que organizações de direitos humanos recorreram para denunciar o ex-presidente Jair Bolsonaro pela sua conduta durante a pandemia e pelo tratamento que deu aos povos yanomamis.

Continua após a publicidade

Ou ainda a torta inserção, pelo presidente, do debate em torno dos votos dos ministros do STF – o que poderia ser uma boa reflexão nacional sobre o aperfeiçoamento do trabalho do Supremo acabou tisnada pelo fato de o debate ser proposto em meio às críticas de setores progressistas aos votos do recém-indicado Cristiano Zanin, seu ex-advogado no enfrentamento da Lava Jato.

Fora do estrito campo retórico presidencial, há de se lembrar a desidratação promovida pelo governo nos ministérios dos Povos Indígenas e do Meio Ambiente e da Mudança do Clima. Ao ceder à pressão da bancada ruralista no Congresso, a medida provisória assinada por Lula retirou da pasta de Marina Silva, por exemplo, o Cadastro Ambiental Rural (CAR), principal instrumento de catalogação das propriedades rurais e de fiscalização de crimes ambientais cometidos por proprietários de terra, além de ter transferido vários órgãos para outras pastas. Muita gente aceitou calada.

Governos lidam com forças divergentes e contraditórias. O mesmo governo que esvaziou os ministérios mencionados acima é aquele que voltou a demarcar terras indígenas, após um jejum de cinco anos sem demarcações. E assinou decreto que trata de prevenção, monitoramento, controle e redução do desmatamento e degradação florestal na Amazônia.

Continua após a publicidade

O governo que convida Fufuca e tira do jogo Ana Moser é aquele que barra o descontrole armamentista e põe racionalidade ao debate sobre porte e posse de armas nas mãos de civis.

O presidente que diz desconhecer o Tribunal Internacional de Haia é aquele que busca ser um canal de negociação e mediação para pôr fim ao conflito. O mesmo que derrapa nas idas e vindas em falas sobre Rússia e Ucrânia é o que tenta, assertivamente, transformar o Brasil em peça-chave numa nova ordem geopolítica internacional.

O governo que coleciona algumas boas vitórias na economia e acende esperanças auspiciosas numa reforma tributária que o Brasil discute (ou foge da discussão) há décadas é o mesmo que vê membros do PT atacarem o ministro Fernando Haddad – o batido filme do fogo amigo.

Continua após a publicidade

Nenhum governo é isto ou aquilo, e o risco da militância de esquerda que silencia quando deveria gritar e ataca violentamente quando deveria proteger, é olhar para o Palácio e ver pureza e mitificação onde não há (ou não deveria haver). É saber que o Congresso acumulou poder durante a sequência de presidentes fracos (Dilma Rousseff, Michel Temer e Jair Bolsonaro) e não quer devolvê-lo a Lula. É reconhecer uma composição adversa do Congresso, mas também os efeitos de uma eleição apertada que exigirá do presidente, como já ressaltado nesta coluna, dar mais atenção ao Brasil que não é lulista.

O fato é que certos grupos do PT sempre padeceram de uma síndrome persecutória crônica. Convictos da própria pureza, alguns dos seus porta-vozes e militantes se acostumaram a realçar a certeza de suas virtudes ou a atribuir a fatores externos e conspirações problemas ou incapacidades de suas gestões. Foi assim da juventude de partido oposicionista à maturidade dos anos de poder. Da primeira era de seus governos ao novo ciclo iniciado em 2023, passando pela oposição a Jair Bolsonaro e ao bolsonarismo.

Parece difícil, mas o desafio agora é, sobretudo, aceitar que vozes críticas, quando emergem, não significam necessariamente fazer parte de um jogo conspiratório – segundo tal visão, esses críticos são incapazes de ver o Brasil avançando e estão fazendo o jogo dos conservadores, reacionários e bolsonaristas. E assim os aliados do passado recente contra o governo Bolsonaro convertem-se em inimigos a serem cancelados.

Diante de um governo com perfil ideológico mais centrista do que o de outros governos petistas, muita tensão, frustração, fraturas e avanços pela metade ocorrerão no caminho. Como Wanderley Guilherme dos Santos, mestre da ciência política moderna brasileira ensinou, o avanço brasileiro é incremental, não revolucionário. Democracia dá trabalho.

Publicidade

bet green Mapa do site

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por bet green.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.

bet green Mapa do site