shadow cloud gaming

Assine shadow cloud gaming por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Sistema contra lotação do Metrô atrasa novamente

Instalação se arrasta desde 2010; sistema promete aumentar a velocidade dos trens em até 20%, aumentando a oferta de lugares no horário de pico

Por Da Redação
10 set 2013, 10h21

Principal aposta do Metrô de São Paulo para reduzir a superlotação das linhas, o novo sistema de controle dos trens vai demorar mais um ano para funcionar. É um atraso que se arrasta desde 2010. Como consequência, técnicos da companhia têm sido obrigados a adaptar trens recém-reformados, que já têm o novo sistema, para que possam rodar no modelo antigo.

O novo controlador se chama CBTC (sigla em inglês para Controle de Trens Baseado em Comunicação) e foi comprado em 2008 ao custo de 712 milhões de reais. O sistema deveria garantir um aumento de até 20% na velocidade média dos trens – o que equivale a um aumento do mesmo porcentual na oferta de lugares nos horários de pico, diminuindo a lotação.

Os planos do Metrô eram aproveitar a reforma de 98 trens – um contrato de 1,7 bilhão de reais – para instalar os novos equipamentos nos vagões. Isso seria feito durante a reforma, enquanto os trens estivessem desmontados. Mas, com o atraso na instalação do CBTC, técnicos do Metrô são obrigados a fazer ajustes para que os vagões já reformados continuem rodando no sistema de controle antigo, chamado ATC.

O estado obteve uma planilha da companhia, de 2 de maio, que mostra o problema. Onze dos 118 trens disponíveis para as Linhas 1-Azul e 3-Vermelha não podiam ser utilizados por falta de sistema de controle.

Leia também:

Pane em esteira fere 20 pessoas no metrô de São Paulo

Continua após a publicidade

‘Economist’ diz que rede brasileira de metrôs é ‘inadequada’

O eterno desafio de São Paulo: fazer andar a “cidade que nunca para”

“De fato, o CTBC não está no prazo que deveria. Por isso, a gente pegou o sistema convencional e fez uma adaptação, para ele funcionar com o trem modernizado”, afirma o diretor de Operações do Metrô, Mário Fioratti. “Mas existe um problema aí. O sistema convencional precisa ‘conversar’ com o trem modernizado. Precisa de uma interface para essa conversa”, diz. “Essa planilha [de 2 de maio] é de quando esse módulo não estava instalado.”

Nesse processo, os trens acabam mantendo os dois tipos de controle instalados. “São trens flex, como a gente diz aqui”, conta Fioratti. Ele afirma, no entanto, que a falta de trens não compromete a operação.

Novos prazos –Oatraso é decorrente de dificuldades técnicas. A rede não foi projetada para rodar com o sistema CBTC. O novo sistema não tem passado nos testes de segurança do Metrô. Não há outro exemplo, no mundo, de uma adaptação de rede dessa magnitude.

Continua após a publicidade

Na semana passada, o presidente da companhia, Luiz Antonio Carvalho Pacheco, afirmou que o novo controle só ficará pronto no fim de 2014. “A gente pretende ter esse sistema CBTC implementado na Linha 2 agora ainda em setembro ou outubro. Na Linha 1, está prevista a implementação em agosto do ano que vem. E, na Linha 3, no final de 2014.”

O CBTC foi comprado pelo Metrô da multinacional francesa Alstom, uma das empresas investigadas pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e pelos Ministérios Públicos Estadual e Federal por suspeita de participação em um cartel formado para fraudar licitações do Metrô. A empresa diz que coopera com as autoridades nesses casos.

“Em razão dos atrasos da Alstom na implementação do CBTC, o Metrô aplicou multas que somam 77 milhões de reais”, diz a companhia, em nota. Além disso, segundo o Metrô, os pagamentos para a Alstom “estão suspensos há um ano, por decisão da própria contratada”.

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade

shadow cloud gaming Mapa do site

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por shadow cloud gaming.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.

shadow cloud gaming Mapa do site