kanye bet awards

Assine kanye bet awards por R$2,00/semana
Continua após publicidade

#44 A CIDADE: Atração urbana

O crescimento da população em grandes centros é um fenômeno global, impulsionado pela tecnologia, que torna mais sensata a vida nas metrópoles

Por Marcelo SakateMateria seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 21 set 2018, 07h00 - Publicado em 21 set 2018, 07h00
TOQUE DIGITAL - O uso de aplicativos — voltados, por exemplo, para os transportes — vem se tornando frequente (Depositphotos/Fotoarena)

“Todas as sociedades tendem a um bem e, principalmente, ao bem supremo. O bem supremo, o que abrange todos os outros, é a chamada cidade”, escreveu Aristóteles (384 a.C.-322 a.C.), monumento da filosofia grega. É humano, demasiado humano, o movimento de formar aldeias, vilas, cidades, metrópoles, megalópoles. Nos últimos cinquenta anos, o Brasil, um exemplo radical de urbanização, deixou de ser 44% rural para tornar-se 84% urbano (outro caso extraordinário é a China). Hoje, seis de cada dez brasileiros vivem em cidades grandes ou médias, aquelas com mais de 100 000 habitantes.

As ruas de Florença nos deram o Renascimento, e as de Birmingham, a Revolução Industrial, já dizia Edward Glaeser, notável especialista em economia urbana. E as cidades propiciam as melhores oportunidades de quase tudo, do trabalho ao teatro, do lazer à gastronomia. Além disso, no sentido mais prático da vida, as cidades se destacam na oferta de serviços essenciais, como saúde, educação e segurança — ainda que, no Brasil urbano, tudo isso esteja hoje em decadência. A grande novidade das últimas décadas, porém, que funciona como ímã nas cidades, é o fenomenal avanço da tecnologia. Pela primeira vez na história da humanidade, há “cidades inteligentes” — as smart cities, em inglês —, que buscam fazer uso da profusão de dados e de sua análise para facilitar a vida dos habitantes.

Com a expansão da internet das coisas, estima-se que o investimento mundial em serviços básicos — como energia elétrica e saneamento — deverá saltar de 5 bilhões para 40 bilhões de dólares no período que vai de 2015 a 2020, segundo o Boston Consulting Group, empresa americana de consultoria. As redes de transmissão de energia e fornecimento de água estarão conectadas em tempo real à internet, o que permitirá às empresas e aos consumidores gerenciar a oferta e a demanda de tais serviços. A partir de 2019, a cidade paulista de Barueri estará entre as primeiras do país a dispor do serviço conectado, ainda em caráter experimental. Em Barcelona, a iluminação pública, com lâmpadas de LED, aumenta ou diminui conforme a presença de pedestres ou carros. A economia de energia chega a 30%.

As cidades, que sempre fascinaram o homem, serão cada vez mais o epicentro da experiência humana — só que estarão ainda mais fascinantes. Tome-se o caso da mobilidade urbana, uma das dificuldades mais agudas da vida em grandes cidades. Com a fartura de dados produzida pelo ambiente digital e a inteligência artificial, há cidades americanas que já são capazes de enfrentar as questões do transporte com minúcia. Em Dallas, no Texas, o foco é atender à demanda na chamada “primeira ou última milha”. Ou seja: a distância que separa a casa e o trabalho das pessoas da estação de metrô ou do ponto de ônibus mais próximo.

Continua após a publicidade

Na China, mais de duas dezenas de prefeituras trabalham em parceria com a Didi, a maior empresa de aplicativo de transporte do mundo, para coletar informações em tempo real sobre o trânsito e direcionar o funcionamento de semáforos, faixas reversíveis e painéis de orientações aos motoristas a fim de antecipar-se aos congestionamentos. O uso de análise de dados pela Didi — que no início deste ano adquiriu o controle da 99 no Brasil — permite prever com quinze minutos de antecedência picos de demanda em determinados bairros, o que torna possível o envio de táxis adicionais ao local.

As cidades do futuro — do futuro muitíssimo breve — vão dispor do carro autônomo, que será a estrela dos aplicativos de transporte. O Brasil, porém, terá um longo caminho a percorrer para extinguir mazelas do século passado que ainda povoam suas cidades, como a decadência dos centros históricos, as pichações, os moradores de rua, a insegurança brutal — problemas presentes em quase todas as capitais do país. Mas as cidades, esse vulcão de vida, seja em Istambul, seja em Montevidéu, continuarão sendo o melhor resumo da experiência humana.

Publicado em kanye bet awards de 26 de setembro de 2018, edição nº 2601

Publicidade
kanye bet awards Mapa do site

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por kanye bet awards.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.

kanye bet awards Mapa do site